VAGA PERTENCE À COLIGAÇÃO DIZ STF

STF

Dias Toffoli reafirma jurisprudência de que a vaga de suplente pertence à coligação

 

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido feito em dois Mandados de Segurança (MS 30317 e MS 31391) impetrados por suplentes que pretendiam assumir cargos na Câmara Federal devido à licença dos titulares dos quais seriam os primeiros suplentes pelos partidos aos quais são filiados. O primeiro MS se refere ao suplente de deputado federal João Destro do Partido Popular Socialista (PPS/PR) e o segundo pedido é a suplente de deputada federal Romanna Giulia Ceccon Leandro Remor, do Democratas (DEM/SC).

MS 30317

João Destro alegava na inicial que é o oitavo suplente na coligação partidária pela qual concorreu ao cargo de deputado federal nas eleições de 2010. Com relação ao partido ao qual ele é filiado (PPS/PR), informava ser o primeiro suplente para a Câmara Federal. João Destro argumentou também que em razão da licença do deputado federal Cezar Silvestri (também filiado ao PPS/PR) para tomar posse como Secretário Estadual do Desenvolvimento Urbano do Paraná (SEDU), a Mesa da Casa Legislativa deveria proceder à sua convocação conforme a ordem de suplentes da coligação.

MS 30391

Neste MS, a suplente de deputada federal, Romanna Giulia Ceccon Leandro Remor alegava que se classificou como primeira suplente para o cargo de deputado federal se considerado o seu partido (DEM), isoladamente. Na lista de suplentes da coligação partidária, sustentou ter alcançado a quarta posição. E disse, ainda, que dois dos candidatos mais votados do seu partido (DEM) encontram-se na iminência de pedir licença do mandato para assumir cargos políticos no governo do estado de Santa Catarina.

Ambos os parlamentares pediam o deferimento das liminares para que o Supremo determinasse ao presidente da Câmara dos Deputados as imediatas posses nos cargos vagos. No mérito, pediam a confirmação da liminar para garantir a vaga no cargo de deputado federal enquanto perdurasse a licença dos primeiros colocados.

Decisão

Para o ministro Dias Toffoli, as pretensões dos suplentes estão fundamentadas na alegação de que o mandato pertence ao partido político pelo qual concorreram e foram eleitos os candidatos, o que, em tese, geraria direito líquido e certo ao primeiro suplente do mesmo partido a ocupar eventual vaga surgida no curso do período em que deveria ser exercido o mandato eletivo.

Porém, em sua decisão, o ministro Dias Toffoli lembrou que em abril deste ano, quando a Corte analisou um mandado de segurança sobre o mesmo tema, ficou firmada jurisprudência no sentido de que a vaga de suplente pertence à coligação  e não ao partido político.

Por fim, o ministro disse que “as vagas pertencem às coligações eleitorais e hão de ser preenchidas respeitando-se a ordem das listas apresentadas pelo conjunto dos partidos que disputaram o pleito eleitoral”. Dessa forma, negou a segurança.

2 comments

  1. Epitácio de Carvalho Sousa

    Sou Vereador e gostaria de saber se com uma carta de anuencia emitida pelo meu partido posso me desfiliar e me filiar em outro partido sem prejuizo do mandato.

  2. wanderlei salvador

    Sendo definido que a vaga é da coligação, então eu pergunto: O vereador que se elegeu por uma coligação X e resolve trocar de partido, e ingressa numa legenda tradicional( portanto, não novo partido) e assim, perde o cargo. Quem assume o seu lugar, é o primeiro suplente da coligação? Neste caso, quem vai reclamar não é o partido a que ele pertencia? Se o vereador perdeu o cargo devido a reclamação do partido, de que adianta o partido reclamar, se a vaga será ocupada por outra legenda?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *